Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Clóvis Tavares - Certidão de Imortalidade

         “Clóvis não se afastará de nós, porque, em verdade, temo-lo cada vez mais vivo, dentro de nós. É a conclusão a que cheguei, porque ele, por si, é uma CERTIDÃO DE IMORTALIDADE, em nossos caminhos. Aquele coração abençoado que palpitou entre os nossos não pode estar ausente. Ele estará constantemente em nós e conosco, orientando-nos os passos e refazendo-nos as forças.”
Chico Xavier
*****
*****
            "Quando chorarmos, quando a dor mais áspera atingir nosso coração ou nosso caminho, procuremos, numa sublime experiência cristã, outro alguém - que é sempre nosso irmão! - para ajudá-lo a levar sua carga."
Clóvis Tavares

(Trecho do livro "De Jesus Para os Que Sofrem")
*****

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Carta de Ano Novo

        "Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim." (F. C. Xavier)
*****
FELIZ
FELIZ ANO NOVO!
*****
CARTA DE ANO NOVO
Ano Novo é também renovação de nossa oportunidade de aprender, trabalhar e servir.
O tempo, como paternal amigo, como que se reencarna no corpo do calendário, descerrando-nos horizontes mais claros para a necessária ascensão.
Lembra-te de que o ano em retorno é novo dia a convocar-te para execução de velhas promessas, que ainda não tiveste a coragem de cumprir.
Se tens inimigo, faze das horas renascer-te o caminho da reconciliação.
Se foste ofendido, perdoa, a fim de que o amor te clareie a estrada para frente.
Se descansaste em demasia, volve ao arado de tuas obrigações e planta o bem com destemor para a colheita do porvir.
Se a tristeza te requisita, esquece-a e procura a alegria serena da consciência feliz no dever bem cumprido.
Novo Ano! Novo Dia!
Sorri para os que te feriram e busca harmonia com aqueles que te não entenderam até agora.
Recorda que há mais ignorância que maldade, em torno de teu destino.
Não maldigas, nem condenes.
Auxilia a acender alguma luz para quem passa ao teu lado, na inquietude da escuridão.
Não te desanimes, nem te desconsoles.
Cultiva o bom ânimo com os que te visitam, dominados pelo frio do desencanto ou da indiferença.
Não te esqueças de que Jesus jamais se desespera conosco e, como que oculto ao nosso lado, paciente e bondoso, repete-nos de hora a hora: – Ama e auxilia sempre.
Ajuda aos outros, amparando a ti mesmo, porque se o dia volta amanhã, eu estou contigo, esperando pela doce alegria da porta aberta de teu coração.
Emmanuel
(Livro “Vida e Caminhopsicografado por Francisco Cândido Xavier)
*****

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Silêncio! É Natal!

     Não sei falar, irmão Leão. Só poderia dizer algumas palavras soltas, contudo, é melhor o silêncio com as lágrimas. (São Francisco)
*****
*****
     Quando um profundo silêncio tudo envolvia, e a noite chegava ao meio de seu curso, do alto do céu, a vossa palavra onipotente, deixando o vosso real trono, lançou-se... (Sab 18: 14-15)

     E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. (Jo 1:14)
*****
     Partindo do âmago do Pai, ela veio ao seio de uma mãe… A Palavra de Deus vem pois a nós do seu trono real; ela abaixa-se para nos elevar; ela empobrece-se para nos enriquecer; ela faz-se homem para nos divinizar.
     Todas as coisas estavam mergulhadas no meio do silêncio, quer dizer entre os profetas que já não falavam e os apóstolos que falariam mais tarde… Que a Palavra do Senhor venha agora àqueles que fazem silêncio. Escutemos o que o Senhor nos diz no fundo de nós próprios. Que os movimentos e os gritos desastrosos da nossa carne se calem, que as nossas orelhas atentas escutem livremente o que diz o Espírito, para que escutem a voz que está acima do firmamento. (Julião de Vézelay, monge beneditino do século XI)
*****

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Você é o Natal

*****
*****
VOCÊ É O NATAL

O Natal costuma ser sempre uma ruidosa festa; entretanto se faz necessário o silêncio, para que se consiga ouvir a voz do Amor.
Natal é você, quando se dispõe, todos os dias, a renascer e deixar que Deus penetre em sua alma.
         O pinheiro de Natal é você, quando com sua força, resiste aos ventos e dificuldades da vida.
         Você é a decoração de Natal, quando suas virtudes são cores que enfeitam sua vida.
Você é o sino de Natal, quando chama, congrega, reúne.
A luz de Natal é você quando com uma vida de bondade, paciência, alegria e generosidade consegue ser luz a iluminar o caminho dos outros.
Você é o anjo do Natal quando consegue entoar e cantar sua mensagem de paz, justiça e de amor.
A estrela-guia do Natal é você quando consegue levar alguém ao encontro do Senhor.
Você será os Reis Magos quando conseguir dar, de presente, o melhor de si, indistintamente a todos.
A música de Natal é você quando consegue também sua harmonia interior.
O presente de Natal é você quando consegue comportar-se como verdadeiro amigo e irmão de qualquer ser humano.
O cartão de Natal é você quando a bondade está escrita no gesto de amor, de suas mãos.
Você será os “votos de Feliz Natal” quando perdoar, restabelecendo de novo, a paz, mesmo a custo de seu próprio sacrifício.
A ceia de Natal é você quando sacia de pão e esperança, qualquer carente ao seu lado.
Você é a noite de Natal quando consciente, humilde, longe de ruídos e de grandes celebrações, em silêncio recebe o Salvador do Mundo.
Um muito Feliz Natal a todos que procuram assemelhar-se com esse Natal.
Papa Francisco
*****

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A História do Primeiro Presépio

Trecho do filme "Clara e Francisco" - Direção: Fabrizio Costa.
*****
*****
O povo chamejante desceu até à baixada e começou a subir, lentamente, pelas curvas de um caminho, até chegar à gruta. As rochas, iluminadas por aquelas luzes de chamas, davam uma impressão indescritível.
Tinham preparado, na entrada da gruta, um enorme presépio, com feno e palha. De um lado, em pé, um burrinho comia o tempo todo. Do outro lado, um boi não menos manso. Junto ao presépio, de pé, repleto de consolação e felicidade, o Pobre de Assis esperava o começo da liturgia.
Francisco aproximou-se do povo, colocando-se entre o presépio e os assistentes. Começou a falar. Parecia que ia cair em pranto. Repetia muitas vezes: Amor! Amor! Amor! Depois começou a repetir estas palavras soltas: Infância, Pobreza, Paz, Salvação. Às vezes, parecia a ponto de chorar.
Mas, aconteceu o inesperado. A ameaça de choro foi desaparecendo, pouco a pouco, e o Irmão ficou completamente sereno, insensível e ausente. Esquecendo o povo, começou a dirigir a palavra a “Alguém” que, supostamente, encontrava-se em cima do presépio, como se não existisse mais ninguém no mundo. Agia como uma mãe com seu bebê: sorria para ele, fazia-lhe gestos e usava expressões que as usam com seus filhinhos, no berço.
Pronunciava “Jesus”, “Menino de Belém” com uma cadência inefável. Era como se seus lábios se untassem de mel, e agia como quem saboreia o doce que ficou nos lábios. Repetia, muitas vezes, a palavra “Belém” como se fosse o balido de uma ovelha, no estábulo de Belém.
Inclinava-se para o presépio, como se fosse beijar alguém ou tomá-lo nos braços, como se fizesse as carícias que as mães fazem para com seus filhinhos.
João Velita garantiu ter visto, com os próprios olhos, o Menino Jesus adormecido. Ao sentir as carícias de Francisco, o Menino despertou e sorriu para o Irmão. Isso foi o que afirmou João Velita.
Foi uma noite inesquecível. Todos os habitantes de Grécio tiveram a impressão de que sua gruta tinha sido transformada numa nova Belém, e contavam milagres.
(Trecho do livro “O Irmão de Assis” de Inácio Larrañaga)
*****

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Vinte Anos sem Tom

Faz vinte anos que, de forma meio repentina, partiu o Maestro soberano Antônio Carlos de Almeida Brasileiro Jobim ou, simplesmente, Tom Jobim. Recordo-me, ainda hoje, o susto com que recebi a notícia do seu falecimento por parada cardíaca em Nova Iorque e a tristeza que senti. 

*****
PASSARIM
Letra e Música de Tom Jobim
*****
“Quando uma árvore é cortada ela renasce em outro lugar. Quando eu morrer quero ir para esse lugar, onde as árvores vivem em paz.” 
( Tom Jobim)

“O meu Jardim Botânico não é muito o das palmeiras imperiais. É mais obscuro, da borda do mato, das sabiás, dos micos, do caxinguelê, da juriti e da... cuidado! Eventual jararaca... Os acarás de pinta azul e preta, parados na correnteza.” 
(Tom Jobim)
*****
Eu cá de baixo, no meu quarto exíguo ,
Tenho uma impressão estranha, mas feliz,
De que sou a raiz obscura e dolorosa 
de uma árvore pujante ,
De cujos ramos, cheios de orvalho e pranto,
Brincam dois passarinhos encantados,
Eriçam as penas festejando a vida.
Jorge Jobim
(Pai do Tom)
(trecho do poema Felicidade)
*****

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Oração do Natal

Uma oração para refletir o Natal que se aproxima.
*****
*****
Oração do Natal
    Rei Divino, na palha singela, porque te fizeste criança, diante dos homens, quando podias ofuscá-los com a grandeza do Teu Reino?
Soberano da Eternidade, porque estendeste braços pequerruchos e tenros aos pastores humildes, mendigando-lhes proteção, quando o próprio firmamento te saudava com uma estrela sublime, emoldurada de melodias celestes?
Certamente, vinhas ao encontro de nosso coração, para libertá-lo.
Procuravas o asilo de nossa alma, para convertê-la em harpa nas Tuas mãos.
Preferias esmolar segurança e carinho, para que, em te amando, de algum modo, na manjedoura esquecida, aprendêssemos a amar-nos uns aos outros.
Tornavas-Te pequenino para que a sombra do orgulho se desfizesse, em torno de nossos passos, e pedias compaixão, porque não nos buscavas por adornos do Teu carro de triunfo, como vassalos de Tua Glória, mas, sim, por amigos espontâneos de Tua causa e por tutelados de Tua bênção...
E modificaste assim, o destino das nações. Colocaste o trabalho digno, onde a escravidão gerava a miséria, acendeste a claridade do perdão, onde a noite do ódio assegurava o império do crime, e ensinaste-nos a servir e a morrer, para que a vida se tornasse mais bela...
É por isso que, ajoelhados em espírito, recordando-Te o berço pobre, ofertamos-Te o coração...
Arranca-o, Senhor, da grade do nosso peito, enferrujado de egoísmo, e faze-o chorar de alegria, no deslumbramento de Tua luz!... Conduze-nos, ainda, aos tesouros da humildade, para que o poder sem amor não nos enlouqueça a inteligência, e deixa-nos entoar o cântico dos pastores, quando repetiam, em pranto jubiloso, a mensagem dos anjos:
- Glória a Deus nas Alturas, paz na Terra e boa vontade para com os homens!...
Meimei
(Psicografado por F. C. Xavier)
*****

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Jardim da Fantasia

Uma singela e bela música.
*****
*****
JARDIM DA FANTASIA

Bem ti vi, bem ti vi,
Andar por um jardim em flor,
Chamando os bichos de amor, 
Tua boca pingava mel.

Bem ti quis, bem te quis,
E ainda quero muito mais,
Maior que a imensidão da paz,
Bem maior que o sol.

Onde estás? 
Voei por este céu azul,
Andei estradas do além,
Onde estará meu bem?

Onde estás? 
Nas nuvens ou na insensatez?
Me beije só mais uma vez, 
Depois volte pra lá.

Compositores: Jorge Luiz Guimarães
e Paulinho Perda Azul
*****

domingo, 16 de novembro de 2014

Sobre a Solidão

   “A mais terrível pobreza é a solidão e o sentimento de não ser amado.
   A todos os que sofrem e estão sós, dai sempre um sorriso de alegria. Não lhes proporciones apenas os vossos cuidados, mas também o vosso coração."
Madre Teresa de Calcutá
*****
*****
SOLIDÃO
“O presidente, porém, disse: - mas, que mal fez ele? E eles mais clamavam, dizendo: - seja crucificado.” (Mt, 27:23)
À medida que te elevas, monte acima, no desempenho do próprio dever, experimentas a solidão dos cimos e incomensurável tristeza te constringe a alma sensível...
Onde se encontram os que sorriram contigo no parque primaveril da primeira mocidade? Onde pousam os corações que te buscavam o aconchego nas horas de fantasia? Onde se acolhem quantos te partilhavam o pão e o sonho, nas aventuras ridentes do início?
Certo, ficaram...
Ficaram no vale, voejando em círculo estreito, à maneira das borboletas douradas, que se esfacelam ao primeiro contacto da menor chama de luz que se lhes descortine à frente.
Em torno de ti, a claridade, mas também o silêncio...
Dentro de ti, a felicidade de saber, mas igualmente a dor de não seres compreendido...
Tua voz grita sem eco e o teu anseio se alonga em vão.
Entretanto, se realmente sobes, que ouvidos te poderiam escutar a grande distância e que coração faminto de calor do vale se abalançaria a entender, de pronto, os teus ideais de altura?
Choras, indagas e sofres...
Contudo, que espécie de renascimento não será doloroso?
A ave, para libertar-se, destrói o berço da casca em que se formou, e a semente, para produzir, sofre a dilaceração na cova desconhecida.
A solidão com o serviço aos semelhantes gera a grandeza.
A rocha que sustenta a planície costuma viver isolada e o Sol que alimenta o mundo inteiro brilha sozinho.
Não te canses de aprender a ciência da elevação.
Lembra-te do Senhor, que escalou o Calvário, de cruz aos ombros feridos. Ninguém o seguiu na morte afrontosa, à exceção de dois malfeitores, constrangidos à punição, em obediência à justiça.
Recorda-te dele e segue...
Não relaciones os bens que já espalhaste.
Confia no Infinito Bem que te aguarda.
Não esperes pelos outros, na marcha de sacrifício e engrandecimento. E não olvides que, pelo ministério da redenção que exerceu para todas as criaturas, o Divino Amigo dos Homens não somente viveu, lutou e sofreu sozinho, mas também foi perseguido e crucificado.
EMMANUEL
(Do livro "Fonte Viva", cap. 70 – psicografado por F. C. Xavier)
*****

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Conta e Tempo

*****
CONTA E TEMPO

Deus pede hoje estrita conta do meu tempo.
E eu vou, do meu tempo dar-Lhe conta.
Mas como dar, sem tempo, tanta conta.
Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?

Para ter minha conta feita a tempo
O tempo me foi dado e não fiz conta.
Não quis, tendo tempo fazer conta,
Hoje quero fazer conta e não há tempo.

Oh! vós, que tendes tempo sem ter conta,
Não gasteis vosso tempo em passa-tempo.
Cuidai, enquanto é tempo em vossa conta.

Pois aqueles que sem conta gastam tempo,
Quando o tempo chegar de prestar conta,
Chorarão, como eu, o não ter tempo.

Frei Antonio das Chagas
*****
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...